ILAN BREMAN

Ilan Breman participa do A(o)Gosto das Letras conversando com o público sobre um tema que interessa a todos: “Formando leitores dentro de casa”. O encontro acontece no sábado, dia 25, às 10h na Biblioteca Pública “Tristão de Athayde”, com entrada franca.

Ilan é mestre e doutor em educação pela USP, e autor premiado de literatura infantil e juvenil. Publicou mais de 50 livros no Brasil, Europa e Ásia. Seus trabalhos acadêmicos sempre defendem uma literatura infantil e juvenil livre da ideologia do “politicamente correto” e com respeito à inteligência e a sensibilidade da criança e do jovem leitor.

Atualmente Ilan compartilha suas reflexões sobre educação, cultura e outros vários assuntos em sua  coluna mensal na Revista Crescer (leia texto na página 2)

O Balaio entrevistou o escritor e contador de histórias com exclusividade:

1 – O tema do encontro em Ourinhos é a formação de leitores dentro de casa. Qual é o papel da família nessa empreitada?

O papel da família é total, famílias leitoras, ou que estimulem á leitura, são formadoras de crianças leitoras.

 

2 – De que forma pais que não são leitores podem ajudar seus filhos?

Levando-as para livrarias, bibliotecas, contando histórias inventadas, da sua infância, mostrando que contar, ouvir e ler histórias é uma das atividades mais deliciosas do mundo.

 

3 – Que tipo de atividades são capazes de despertar em adultos o gosto pela leitura?

Outro adulto comentando de forma apaixonada sobre um livro que acabou de ler, ou filme que remete a algum livro. Frequentar livrarias e bibliotecas podem ser uma surpreendente descoberta.

 

4 – Numa sociedade cada vez mais especializada, muitos leitores estão voltados somente para textos técnicos ou outras leituras rápidas. Qual a importância do texto literário para a formação de um leitor?

Sem imaginação não há aprendizagem! A ficção é o combustível da criatividade, do raciocínio e da reflexão.

 

5 - Apesar da constatação de que as pessoas se comunicam mais através da escrita devido às rede sociais e e-mails, o que se verifica é que a leitura de textos na internet muitas vezes não incentiva a concentração necessária para a compreensão de textos literários. Você concorda com isso? A internet acaba sendo um problema na formação de jovens leitores?

Sim, concordo. A internet tem como premissa a superficialidade, ela não quer pessoas concentradas, focadas, ela vive dos nossos pulos de link à link, ela ganha dinheiro com esse nosso comportamento “macacal”, assim pulando de galho em galho, não conseguimos enxergar a árvore toda, suas raízes, sua história. O livro de papel faz com que mergulhemos na ficção de uma forma mais inteira, sem agitação externa, com menos distrações e , principalmente, num silêncio que abre espaços para ouvirmos nossos próprios pensamentos.

 

6 – Como é o projeto “Degustação de histórias”, que você desenvolve? Como é essa união entre gastronomia e literatura?

É um projeto que se propõe alimentar à alma e o corpo dos participantes. Uma de chef cozinha pratos de uma temática que seleciono (ex. Índia) , eu conto histórias indianas e ela faz os pratos desse país.